Cooperativismo: a força do agro brasileiro

“O empreendedorismo é o que vai nos levar ao futuro, mas o cooperativismo é o modelo que permite que muitos possam progredir, sem serem deixados para trás”, afirma Tejon.

0
345

Na coluna desta semana do professor, autor e palestrante José Luiz Tejon, o tema é cooperativismo.

De acordo com o especialista, no mundo todo, o cooperativismo supera a movimentação de US$ 2,2 trilhões, pouco mais do que todo o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, que, segundo ele, é cerca de R$ 2 trilhões.

“As cooperativas reunidas são maiores que o PIB brasileiro, e se fossem um país, estariam entre a 6ª e 8ª maior economia do planeta”, destaca.

O especialista afirma que o cooperativismo é um modelo de negócio que tem mais de 250 milhões de funcionário no mundo, e movimenta cerca de R$ 350 bilhões no Brasil. “Isso representa quase 50% de tudo o que é produzido”.

Análise

Tejon explica que o cooperativismo é um modelo de negócios que está sendo analisado no mundo inteiro como fundamental para a sociedade.

“Quando a gente encontra uma cidade com uma boa cooperativa, ali o IDH e a qualidade de vida são melhores. O cooperativismo é um fundamento democrático, humanista, com uma visão de longo prazo”, enfatiza.

Ele afirma, ainda, que o cooperativismo de crédito vem crescendo, com um modelo de engajamento e participação exemplar.

“O empreendedorismo é o que vai nos levar ao futuro, mas o cooperativismo é o modelo que permite que muitos possam progredir, sem serem deixados para trás”.

Para ele, outras organizações e empresas que não são cooperativas vão precisar adotar modelos parecidos, em um futuro próximo.

“A cooperativa é importante para o micro, pequeno, médio e grande produtor. Para o grande, a coisa mais importante é que ao seu redor existam pequenos. Assim ele não vira uma vidraça, onde todos bombardeiam”, destaca.

“Fique de olho nas cooperativas e observe que onde tem progresso, você encontra uma, enquanto que os lugares mais necessitados de avanço, você não vê o cooperativismo”, finaliza.

Jornalista, publicitário, administrador, mestre e doutor em Educação, José Luiz Tejon já atuou como diretor do grupo O Estado de S. Paulo, do grupo Agroceres e da Jacto.

Atualmente, é membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e membro da Associação Brasileiro de Marketing Rural e Agronegócio (ABMR-A). É professor, autor e coautor de 33 livros, entre eles o best seller Guerreiros não Nascem Prontos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here