O agricultor do futuro, para ter sucesso, deverá ter a capacidade de coletar e interpretar dados.

Este, pelo menos, é o diagnóstico de Alexandre Barioni, líder comercial da Climate Corporation, atual braço de agricultura digital da Bayer.

Alexandre falou exclusivamente sobre tecnologia e o agricultor do futuro ao programa Liderança Agro.

“A crença que nós temos é: qual o poder do dado?”, explica o especialista.

“Nós tivemos ondas de aumento de produtividade de grande impacto – a das sementes híbridas, fertilizantes e biotecnologia”, lembra.

“E hoje, portanto, temos a convicção que a próxima grande onda é a utilização de dados”, ressalta.

Alexandre afirma que, por ora, o objetivo não é capturar dinheiro, mas descobrir qual o potencial de transformação da agricultura brasileira, nos próximos 30 anos, com esses dados, impactando o agricultor do futuro.

“Isso é inevitável. Essa mudança vai acontecer. As mídias sociais e os aplicativos impactaram nossa vida e isso já está vindo para o agro”, ressalta.

O especialista lembra que o agricultor sempre teve ferramentas que permitissem a captura de dados, mas a tecnologia possibilita uma interpretação mais precisa.

“De 20 anos para cá, melhoraram os computadores, a forma como nos conectamos e armazenamos dados, diminuiu-se o custo de transferência de dados, e muito mais”.

De acordo com ele, o agricultor do futuro será, na verdade, um empresário rural.

“Ele não vai se preocupar em produzir mais, mas produzir melhor, com melhores recursos, usando soluções integradas”.

Mobilidade

Alexandre afirma que a mobilidade tecnológica também é um ponto crucial para o sucesso do agricultor do futuro.

“Você permite que estes dados estejam reunidos em um aplicativo de celular, de uma maneira muito intuitiva e prática”.

Por isso, a experiência de utilização destes aplicativos é o que vai garantir o sucesso dessas tecnologias.

“A gente vende um hardware e um software. Se o agricultor não tiver uma boa experiência, não vai renovar a licença”.

No entanto, com uma boa experiência, Alexandre afirma que o cliente tem o hábito de propagar isso através de curtidas e compartilhamentos.

“Acreditamos que este será o agricultor do futuro”.